Primeira Produção IN TRANZ YT Cia. Jovem

A nossa proposta

Transformar a ideia de uma companhia de dança, sonhada, numa realidade de conteúdos fortes de valor quer para as pessoas quer para o território.

Dando forma física à missão da IN TRANZ YT, é agora chegado o momento de concretizar o apoio a jovens bailarinos, oferecendo-lhes a possibilidade de dançarem numa companhia e num ambiente profissionalizante, em tudo idêntico ao que irão encontrar durante a sua carreira. Pretende-se assim, com este programa que cada bailarino encontre, conheça e desenvolva o seu potencial técnico e artístico, numa antevisão do que será o seu futuro profissional.

Desde o primeiro momento que iremos trabalhar um repertório de dança, plural, ecléctico e de grande qualidade que seja criador de valor para os bailarinos, os profissionais e companhias envolvidas no processo, assim como para os públicos.

O programa escolhido para esta primeira produção IN TRANZ YT, espelha alguma da estética e nível de qualidade artística e técnica que o nosso repertório e programação propõe, logo desde o início.

Para a primeira produção IN TRANZ YT selecionamos três peças coreográficas que abrem caminho para a linha artística e estética da companhia, sendo duas delas estreias nacionais e uma estreia absoluta.

Molto Sostenuto

O programa inicia com a peça Molto Sostenuto, de Fábio Lopez, criada em 2017 e estreada pela Compagnie Illicite – Baione, dirigida por Fábio Lopez. Esta coreografia foi alvo das mais elogiosas críticas, por parte da imprensa especializada francesa. Peça de estilo neoclássico é dançada por quatro bailarinos, teve como inspiração um poema de Vladimir Nabokov sob a música de Dmitri Kabalevsky, versão interpretada pour Daniil Shafran.

Photo: Stephane Bellocq

Molto Sostenuto, tem como ponto de partida para a minha inspiração coreográfica, um poema de Vladimir Nabokov, mais concretamente “O Peregrino” (Palomnik) de 1927.

Tudo o que daí resultou, toda a pesquisa de movimento sobre a qual trabalhei, desaguou nesta organização de corpos no espaço sob a música de Dmitri Kabalevsky, versão interpretada pour Daniil Shafran.

A música original e versão utilizada, de Shafran, composta em 1964, é ao mesmo tempo, grave e emocional.

Fábio Lopez

A minha escuta e tradução artística da música de Shafran que se juntou ao poema de Nabokov, levou-me ao espirito intrínseco do “Peregrino”, à perda ou afastamento da sua pátria, embora com a esperança, sempre presente, de um regresso sonhado.

Por isso e pela imagem deste homem que Nabokov evoca; a partida que se encontra sempre presente, através das recordações, assim como da identidade cultural do peregrino, acompanharam a minha pesquisa e criação de Molto Sostenuto. A identidade nunca o abandona, antes pelo contrário, acompanha-o assombrando-o ao longo de toda a sua jornada.

Fábio Lopez

“Ô, comme soudain l’étranger éclatant,

le lointain chemin seront attirants,

quel fardeau de se traîner jusqu’á la fenêtre,

comme je voudrais faire revenir

tout ce qui pleurait en moi,

le plus tremblant, le plus printanier,

et – plus parfait que toute la réalité –

le songe de pays natal.”

Vladimir Nabokov

“Un petit bijou chorégraphique, dynamique, élégante, musical et… très bien dansé.”

Margarita MEDINA, DANSER no.341

“Uma pequena jóia coreográfica, dinâmica, elegante, musical e… muito bem dançada.” Margarita MEDINA,

Revista DANSER, nº 341

“Ici, les quatre jeunes danseurs emportent dans un pèlerinage de beauté, splendides interprètes emplis de délicatesse et de fragilité, dont les pas et les mouvements bercent de fluidité.”

Laurent PLATERO, MEDIABASK Fév 2018

“Nesta peça, os quatro jovens bailarinos fazem uma peregrinação de beleza, artistas esplêndidos cheios de delicadeza e fragilidade, cujos passos e movimentos balançam com fluidez.”

Laurent PLATERO, MEDIABASK Fev. 2018

|88

A segunda peça da noite, de autoria de Ana Isabel Casquilho, primeira bailarina do Augsburg Ballett, na Alemanha e coreógrafa com extenso curriculum internacional, é um quinteto de dança contemporânea, com alguma influência do movimento contemporâneo centro europeu actual, mas com uma linguagem de movimento muito própria e pessoal de Ana Casquilho.

A peça, estreada em 2017 na Alemanha, parte igualmente e por coincidência, de um poema, de Fernando Pessoa e do multiverso de personalidades que os heterónimos de Pessoa evocam.

Esta peça parte de uma admiração profunda pela obra de Fernando Pessoa e foi inspirada especificamente na complexidade e criação dos seus heterónimos.

Nesta coreografia mostro a minha viagem de exploração que resultou do encontro do físico com o espírito e com o universo de Pessoa. Ana Casquilho.

De salientar que ambos os coreógrafos se formaram em Portugal, tendo feito o seu percurso profissional sempre no estrangeiro, sendo agora apresentados pela primeira vez ao público português através desta companhia.

Jump Up and Get Down

A terceira coreografia é uma co-criação de Cristina Pereira e Vasco Macide sendo o universo coreográfico destes dois autores distinto das outras coreografias do programa.


Partindo de duas citações, aparentemente tão diferentes, pertencentes a duas personalidades tão distintas, criámos uma visão coreográfica, dramatúrgica e cénica para esta nossa nova criação.

Também ao nível da paisagem sonora nos apoiamos em dois universos musicais completamente distintos e para muitos até antagónicos; House of Pain e Franz Shubert.

“E uma vez que a tempestade termine, não recordarás como o conseguiste, como sobreviveste. Nem sequer estarás seguro que a tempestade tenha terminado realmente. Mas uma coisa é certa, quando saíres dessa tempestade, não serás a mesma pessoa que nela entrou. É disso que se trata a tempestade.”

Haruki Murakami

“Se alguém mede a posição de uma partícula, a partícula é perturbada, e o seu momentum muda.”

Erwin Schrödinger, in: Schrödinger’s cat paradox

O antagonismo evidente entre a procura do local exacto de uma partícula ou de um estado físico, emocional e ou vivencial é algo sobre o qual Schrödinger pesquisou e Murakami escreve em quase todos os seus romances.

O estado permanente de inconstância espacial, emocional e interpretativa a que um bailarino está constantemente sujeito é, na nossa opinião, muito idêntico a um estado físico e psicológico que poderíamos identificar como quântico.

Do ponto de vista cénico, o público verá um palco completamente nu, onde no canto inferior esquerdo estão suspensas quatro paletes, as quais serão os espaços para cada um dos quatro músicos que interpretarão o 2º andamento do quarteto de cordas nº 14 em Ré Menor (Death and the Maiden) de Franz Shubert.

Mais informações: dirproducao.intranzyt@gmail.com

%d bloggers like this: